in ,

Pintura monumental feita com caneta e tinta em três anos e meio

O artista japonês Manabu Ikeda dedicou os últimos três anos e meio, trabalhando em média 10 horas por dia em seu estúdio dentro do Chazen Museum of Art em Madison, Wisconsin, na criação de uma pintura monumental hiper detalhada que mede quase 4 m de largura por 3 m de altura, utilizando principalmente uma caneta tinteiro para produzi-la.

A obra intitulada Rebirth (Renascimento) ilustra uma árvore gigantesca à beira mar sendo atingida por uma onda de mesmas proporções em primeiro plano, ao se observar de longe. Mas que revela uma variedade incontável de detalhes e pequenas histórias secundárias se desenvolvendo no corpo e ao redor da grande cerejeira — um dos símbolos icônicos do Japão –, ao se analisar de perto. A inspiração por trás da ideia de renascimento veio da percepção do artista sobre a catástrofe causada pelo tsunami, e consequente desastre na usina nuclear de Fukushima, ocorrida em seu país anos atrás. Os amontoados de objetos reproduzidos na pintura remetem ao caos resultante da tragédia.

Uma tradução exuberante e delicada da força da vida e seu poder de reconstrução, que também são características marcantes do povo japonês.

Mais informações: mizuma-art.co.jp (h/t: Fubiz e Colossal).

Escrito por Leandro Oliveira

I’m the CEO-founder of Visualflood, based in Feira de Santana, Brazil. Someone who loves visual arts and innovative technologies.

Tatuagens que parecem ter saído de livros antigos de contos de fada

Desenhos de animais e outras criaturas feitos com rastros de luz de Darren Pearson